quinta-feira, 2 de julho de 2015

Sophia de Mello Breyner, "Goesa"


Tudo era atravessado por um rio de memórias
E brisas sutis e lentas se cruzavam
E enquanto lá fora baloiçavam
Os grandes leques verdes das palmeiras
Uma rapariga descalça como bailarina sagrada
Atravessou o quarto leve e lenta
Num silêncio de guitarra dedilhada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário