domingo, 24 de julho de 2016

Ivo Barroso, "Regresso"


Eis-me de volta! É longe donde venho….
Venho dessa distância que separa
teu beijo quente e a gargalhada clara
do triste ricto que em meus lábios tenho. 

Regresso desse abismo que se chama
Ausência… Venho de regiões sombrias…
De um lustro secular de cinco dias,
que doido é o tempo de quem muito ama ! 

Regresso de um presídio onde cumpri,
dentre as penalidades – a mais alta:
Sentir na carne a dor da tua falta,
sem deixar nunca de pensar em ti. 

Retorno da saudade dolorida,
da contenção do meu desejo imenso;
e voltar, e sentir-te, é o mesmo – penso –
que, estando morto, retornar à vida. 

Perdoa, pois, a febre dos desejos;
perdoa se os meus beijos e os abraços
machucarem a carne de teus braços
e a tua boca se sangrar de beijos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário